Cruzeiro Régua - Barca d'Alva

Neste percurso fizemos o Cruzeiro da Régua até Barca d’Alva, com regresso de Comboio pela linha do Douro. Este trajecto é o mais maravilhoso do Douro, pois passa pelo coração do Douro vinhateiro, várias quintas, três barragens e por muitos locais com vistas deslumbrantes. É um percurso obrigatório, para conhecer esta região de uma forma única. Um cruzeiro que recomendamos vivamente!

Algumas recomendações:
  • No Verão use roupa fresca e confortável.
  • Cuidado com o Sol, use protector solar.
  • Não esquecer a máquina fotográfica!
Veja a seguir o percurso detalhado.
 Percurso

Subida de Barco
Descida de Comboio

Duração: 11 horas
Almoço a bordo

Partida: 8h00
Chegada: 19h00



Percurso

O cruzeiro inicia-se no Cais da Régua pelas 7h45, pelo que há que acordar bem cedo. Se estiver alojado na Régua poderá deslocar-se a pé até ao Cais, no entanto se estiver num hotel da região e trouxer carro poderá estacionar junto ao cais, ou em alternativa num parque de estacionamento perto.

Chegamos à Régua cerca das 7h30 e encontrar lugar para o carro não foi difícil, estacionámos mesmo junto ao cais. Vários barcos estavam ancorados no cais e numa breve observação encontramos o que nos vai levar até Barca d’Alva, o Princesa do Douro, da companhia Rota do Douro.

Aguardamos a hora de embarque, os passageiros vão chegando e reunindo-se perto da embarcação. Enquanto aguardamos, aproveitamos para tirar algumas fotos do Douro, das pontes da Régua que sob a luz da manhã tem um brilho especial.


Peso da Régua. Ao fundo as pontes da Régua

Perto das 8h00, começa o embarque, e seguimos para a sala de refeições onde será servido o pequeno almoço. O barco parte então iniciando a subida do Douro, passa pelas pontes da Régua e logo de seguida chega à barragem de Bagaúste, que fica junto à Régua e que é a primeira das 3 barragens que vamos subir ao longo do percurso.

A subida de uma eclusa é uma experiência única, o barco entra com uma precisão milimétrica e ao fechar as comportas, inicia-se a subida. É um momento em que os passageiros todos se deslocam para o exterior do barco para melhor viver esta experiência e tirar fotos. Rapidamente o barco sobe, e ao abrir das comportas seguimos rio acima.

Nesta parte do percurso passamos por Folgosa do Douro e Covelinhas. O rio a esta hora tem ainda alguma neblina que se está rapidamente a levantar, é uma boa ocasião para tirar algumas fotos com esta luz da manhã.


Covelinhas

Quinta do Tedo

Prosseguindo viagem passamos pela Quinta do Tedo, onde o rio Tedo faz uma linda curva antes de desaguar no Douro. De barco esta curva não é bem visível, mas temos uma bonita vista sobre a quinta a partir do rio. Alguns quilómetros acima passamos pela quinta do Seixo, à nossa direita (onde é produzido o vinho Sandeman) e pouco depois chegamos ao Pinhão.

Vila do Pinhão

O barco passa lentamente em frente à vila do Pinhão, encaixada entre o rio Pinhão e o rio Douro numa curva do rio. Estamos no centro do Douro vinhateiro e aqui podemos encontrar a maioria das principais quintas produtoras de vinho do Douro e vinho do Porto. Do lado direito do rio encontramos a Quinta das Carvalhas, passamos pela ponte do Pinhão e lentamente a vila fica para trás.


Próximo local de passagem: Tua.
Chegamos à Foz do Tua de onde conseguimos avistar as obras da barragem. A estação de comboios fica logo a seguir e avistamos do barco o conhecido restaurante Calça Curta. A passagem de barco neste local faz-se com especial cuidado, devido ao canal de navegação ser estreito.

A seguir seguimos em direcção à barragem da Valeira, com 32m de altura, a segunda maior do Douro.



O calor faz-se sentir agora de forma mais intensa. Subimos a barragem. O barco vai passar pelo Cachão da Valeira (antiga cascata e limite de navegação do Douro durante séculos).  A aguardar a nossa subida da barragem encontrava-se um barco hotel, o que permite umas belas fotos enquadradas pela imponente paisagem do Cachão da Valeira. Junto ao cachão figura uma placa (ver foto).



A seguir passamos junto a São Xisto e pela ponte da Ferradosa.



Encontramo-nos no Douro Superior, a caminho do Pocinho e vamos em breve encontrar a Foz do rio Sabor.

Passamos pela bonita Quinta do Vesúvio, e entretanto é chegada a hora do almoço.




O almoço consiste em: entradas, sopa, o prato principal acompanhado de vinho do Douro (em alternativa água ou sumo).
Inclui ainda sobremesa, e café.

O barco continua a subida do rio passando por Mós do Douro, pela ilha do Saião, uma das ilhas do Douro e finalmente encontramos a praia fluvial da Foz do Sabor.


Ilha do Saião

Pouco depois chegamos ao Pocinho e conseguimos avistar a estação de cor amarela que sobressai na paisagem.


Seguimos então em direcção a Barca d’Alva, e após subirmos a barragem do Pocinho continuamos a viagem. Passamos pela Foz do rio Côa e pouco depois pelo Museu do Côa. Na margem vemos a linha do Douro que neste troço se encontra abandonada. A ligação internacional a Salamanca foi fechada em 1985 e em 1988 foi fechada a ligação entre o Pocinho e Barca d'Alva.

Chegamos a Barca d’Alva perto da hora prevista. O barco faz uma paragem de 45 minutos, o que dá tempo para visitar a pequena aldeia.



Voltamos ao barco, em direcção ao Pocinho. O percurso faz-se em 1h30. No qual se destaca a vista do Museu do Côa que lá no alto parece pequeno, tal a imensidão da paisagem.

É hora do lanche. Estão disponíveis sandes, sumos, salgadinhos e batatas fritas.

Chegamos ao Pocinho e desembarcamos. Somos transferidos de autocarro para a estação do Pocinho para apanharmos o comboio.


Às 19h00 chega o comboio. O regresso à Régua é rápido, o comboio tem ar condicionado o que é muito agradável face ao calor que está.

O percurso é lindo! O comboio corre junto ao rio, fazendo as curvas e deslumbrando os passageiros a cada curva, após cada túnel.


Chegamos à Régua às 19h00. A estação fica a cerca de 500 metros do Cais pelo que o percurso é feito a pé até ao carro.

Este percurso é uma experiência maravilhosa que se recomenda a quem pretende conhecer o melhor do Douro.

Roteiro do Douro
Julho/2013

Recomendações:
  • Evite os dias de maior calor para fazer esta viagem.
  • No Verão use roupa fresca e confortável. Cuidado com o Sol, use protector Solar.
  • Pode em alternativa fazer este mesmo percurso mas apenas até ao Pocinho, o que retira algumas horas à viagem, tornando-a mais ligeira.
  • Não esquecer a máquina fotográfica!